22 de abr de 2009

A PENA E O PÊNIS


A PENA E O PÊNIS
(um soneto pornográfico)


Porque minha pena de poeta ultrapassado
Ainda insiste em me exigir mais poesia;
Em revelar-me quase sempre ensimesmado,
E abusando da pior pornografia;

Porque este pênis cada dia mais caduco
Ainda acata as perversões da minha mente;
A me fazer um sonetista quase eunuco,
Insatisfeito com seus versos impotentes;

Faço sonetos como se fizesse amor;
Procurando, a cada gozo, um novo estímulo,
Um novo encontro com meu pênis de menino.

Pesco palavras com um anzol masturbador;
A cada verso uma enxadada e outra minhoca
– outra punheta ao estilo troca-troca.


2 comentários:

  1. Pois é meu colega de Overmundo.
    Essa necessidade de gozar através das palavras nos causa por vezes momentos de êxtase, e outros de brochadas escandalosas. Mas a gente nunca desiste.
    E a partir de hoje vamos caminhar juntos pela blogosfera compartilhando gozos e frustrações.
    O meu censurado já está no meu blog.
    Grande abraço
    Ademir

    ResponderExcluir
  2. Salve parceiro !

    Não é só na forma que se assemelham ...
    Ambos - caneta e pênis - geram , produzem , reproduzem ....
    abraço !!

    ResponderExcluir