4 de mar de 2009

DESENCARNAÇÃO


alma muita
em corpo pouco
busco um banco
no infinito
onde os eus
que em mim vagueiam
afinal
me depositem